Sinto-me sozinha no mundo. E chorar tem sido apenas como espremer um coração cheio de dor.
O desbotado desses dias. A dor de minha própria ausência. Ficar mirando em outras pessoas, mas no fundo, ser de si próprio que está sentindo falta. Donde o brilho no olhar que (me) carregava antigamente? Por que eu esqueci que o hoje é o sonho realizado que eu só sonhava ontem?!
Nessa fase da vida, confesso que já não é um processo simples recuperar a fé. Sinto saudade daquela menina que eu fui e que a vida foi despindo lentamente. De tudo nela que era bonito, ingênuo.
Esses dias vi uma garotinha pedalando uma bicicleta cor-de-rosa e pensei:
-       Pena que a vida vai moer todos os sonhos dela.
É isso. Estar aqui é isso, apenas.

Anotações tristes de um dia perturbador. Começo de agosto.